lobo 888 é confiável -Como parte da Jornada Nacional de Lutas das Mulheres Sem Terra, cerca de 300 militantes do movimento

MST pede fim dalobo 888 é confiável - pulverização de agrotóxicos

Como parte da Jornada Nacional de Lutas das Mulheres Sem Terra,çãodeagrotólobo 888 é confiável - cerca de 300 militantes do movimento protocolaram, no dia 8 de março, uma pauta coletiva de reivindicações ao governo do Maranhão. As demandas incluem desde o fim da pulverização de agrotóxicos até melhorias nas estradas e escolas e o fortalecimento da produção de alimentos da agricultura familiar.

O Maranhão ocupa a liderança de rankings de violência no campo, analfabetismo e insegurança alimentar, além de amargar um lamentável histórico de crimes ambientais relacionados à pulverização de agrotóxicos, atingindo principalmente as comunidades de Carranca, Capão, Belém, Angelim, Cacimbas, Mato Seco, Brejinho, Baixão e Araçá. Nesta última, o caso de uma criança atingida por veneno recebeu repercussão nacional.

Leia mais: Fazendeiros são multados por pulverização de agrotóxicos que atingiu criança no MA

Dessa maneira, as prioridades apontadas nas reivindicações do movimento levam em consideração a realidade local de cada território, entre acampamentos e assentamentos da reforma agrária.

"A nossa pauta de reivindicação é bastante ampla. Estamos denunciando inclusive a questão ambiental, o desrespeito desses grandes projetos na Amazônia, no Maranhão, ao nosso bioma amazônico, aos nossos territórios, ao nosso direito de moradia. Hoje é uma grande reivindicação, inclusive, [ações para combater] o aumento da fome no Brasil", explica Júlia Iara, da direção nacional do MST.


Em marcha, as mulheres se dirigiram do Centro da capital até o Palácio dos Leões, sede do governo / Selma Farias

Para a entrega do documento, as mulheres seguiram em marcha até o Palácio dos Leões, sede do governo estadual, e foram recebidas pelo vice-governador, Felipe Camarão (PT), que compõe a chapa de Carlos Brandão (PSB), sucessor do ex-governador Flávio Dino.

"Nós recebemos a pauta apresentada, da luta que é permanente das mulheres do movimento, e aqui foi selado um momento de comprometimento do governo Carlos Brandão com essa pauta apresentada", garante Camarão.


Após o protocolo, movimento se compromete a cobrar e fiscalizar as ações do governo relacionadas ao campo. / Lauro Vasconcelos

Felipe Camarão, que é também Secretário de Educação do Estado, aponta algumas diretrizes do requerimento proposto pelo MST que ele concorda serem imprescindíveis para a garantia de paz no campo.

"A paz no campo envolve obviamente reforma agrária, educação no campo com qualidade, respeito às mulheres, produção, desenvolvimento tecnológico, a compra daquela produção da agricultura familiar, assistência técnica e uma série de medidas importantes que o governo Carlos Brandão terá como prioridade nesses próximos quatro anos", complementa.

Proteção ao trabalhador no campo

O tema da violência no campo foi um dos mais debatidos durante o encontro, considerando a escalada de ameaças e assassinatos a lideranças nos últimos meses, atingindo especialmente indígenas, quilombolas e lideranças com atuação na garantia de terra.

Ainda em fase de transição de governo, a recém-empossada Secretária de Direitos Humanos, Lília Raquel, garante atuação nesse sentido.

"Ainda temos tristes números que precisamos refutar com ações assertivas e com efetividade para tentar combater e diminuir o índice de violência no campo (...) estamos em diálogo permanente com o Movimento Sem Terra, com os outros equipamentos e dispositivos que compõem o governo do estado, para que a gente possa avançar na proteção do trabalhador e da trabalhadora do campo", explica Lília Raquel.

As mulheres Sem Terra cobram ainda uma atenção especial para o fortalecimento da produção e comercialização de alimentos da reforma agrária, que complementaria um amplo projeto de combate à fome no país.


Farinha do MST foi o primeiro produto a receber o selo da agricultura familiar "Gosto do Maranhão". / Mariana Castro

No estado do Maranhão o movimento se destaca, especialmente, pela produção de mandioca, beneficiada em farinha e como subsídio para a produção de cerveja local, mas garante potencial para a produção em larga escala de alimentos.

"Nós vamos reivindicar, inclusive, produzir alimentos saudáveis. Queremos que o acesso à terra, o direito ao território, passe pelas condições do desenvolvimento da produção agroecológica, saudável, de alimentar o nosso povo e alimentar o povo brasileiro", garante Júlia Iara.


O compromisso público foi acompanhado atentamente por mulheres de todo o estado. / Mariana Castro

Ex-deputado federal e atual Secretário de Agricultura Familiar, Bira do Pindaré (PSB) analisou o documento que, segundo ele, vai orientar as ações da pasta ao longo do mandato.

"Nós vamos cuidar dessa pauta, e ela vai nos servir como uma bússola, para orientar nossa atuação durante os próximos quatro anos. Vamos fazer uma gestão com participação e em parceria com o MST, porque entendemos que sem participação popular, não tem gestão de qualidade. É dessa forma que vamos atuar frente à Secretaria de Agricultura Familiar”, diz Bira do Pindaré.

Edição: Nicolau Soares


Relacionados

  • Imagens de Luta: levante das mulheres de Pernambuco é contado por registros fotográficos

  • Com ministros e presenças internacionais, MST-RS faz Festa da Colheita do Arroz Agroecológico

  • PM reprime manifestação de mulheres do MST no Pará e deixa uma pessoa hospitalizada

Outras notícias

  • Eduardo Leite corta benefício de funcionários de escolas e trabalhadores reagem em ato no RS

  • Profissionais da enfermagem da Paraíba cobram pagamento do piso salarial da categoria

  • Organizações da sociedade civil renunciam coletivamente de conselhos ambientais em Minas

Visitantes, por favor deixem um comentário::

© 2024.sitemap